A História do David! IMPERDÍVEL!

A História do David! IMPERDÍVEL!

Olá, Amigos!

Tudo bem com vocês?

Há momentos nesta vida em que Deus nos presenteia de forma inesperada. 

Abri minha caixa de mensagens e deparei com um email que me emocionou deveras. 

Sem avisar-me antes, o meu amigo David, a quem até hoje nunca tive a oportunidade de ver pessoalmente, aluno de longa data do Olá, escreveu-me um texto relatando um pouco da sua história. 

É tão comum, a nós todos, sermos frequentemente acometidos por sentimentos de desânimo e pensamentos derrotistas. Sabemos que não são raros os que desistem dos sonhos ao primeiro sinal de fumaça. Consideramos amiúde que as pedras no nosso caminho são intransponíveis, e que as dificuldades que se nos apresentam são sempre as piores do mundo... E isto quase nunca é verdade!

O David é deficiente visual. É privado da luz. 

Mas não da luz divina! 

Esse garoto é um exemplo de vida para cada um de nós. 

Deixá-los-ei agora com as palavras dele.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Com alguma dificuldade iniciei esse texto, já que não sabia ao certo por onde começar, qual ponto que deveria escolher. Então preferi o ano de 2006. Isso mesmo, há 10 anos ouvi pela primeira vez algo sobre o mundo dos concursos. 

Conheci uma concurseira, e ela me falava que nós, que somos deficientes e queremos algo a mais, devíamos estudar, porque nas empresas privadas era muito difícil. Quando eu escutei essas palavras, não acreditei de pronto, pois eu tinha 21 anos, estava no meu primeiro emprego e queria mostrar todo meu potencial. Estava cursando o 3º período da faculdade de psicologia e tendo contato com várias teorias fantásticas. 

Meu horizonte foi se ampliando, e acreditava que eu poderia fazer algo diferente na empresa, mudar esse conceito preestabelecido de cota. Mas a minha amiga depois de 1 ano me convenceu a fazer um concurso. Isso foi em 2007, para o TRF. Estudei pouco, ou quase nada, e até fiquei aprovado, mas mal classificado. Me senti bem, pois não havia estudado tanto e mesmo assim fui aprovado.

Depois desse concurso, voltei minhas atenções para a faculdade e a empresa. Na primeira ia tudo bem; já na segunda, tudo continuava como antes: passaram-se 2 anos, e depois mais 1 e mais 1... e nada mudava, ou melhor, havia cada vez menos serviços para nós. Quando chegamos em dezembro de 2009, eu me formei, e junto com um grupo de colegas montei um consultório. Era minha opção, já que com pouca verba tinha que escolher, ou me especializo ou abro um consultório. A experiência não foi ruim, mas eu preferi sair.

No meio desse tempo, fiz diversos concursos para a minha área, todos frustrados. Já aquela minha amiga, lembram dela?, passou e foi nomeada num concurso federal.

Então apareceu outro amigo que me falou que estava estudando para Analista da Receita. Nessa altura, eu já estava casado, era o ano de 2012, e resolvi entrar nessa luta com ele. Estudava antes do trabalho, no caminho pro trabalho, no intervalo do trabalho, na volta do trabalho, e em casa. Para minha surpresa, o concurso abriu antes, a prova foi em setembro daquele mesmo ano, e ainda caíram matérias de alfândegas que não caíam há muito tempo. Tive que mergulhar outra vez em novas matérias. 

Quando chegou o grande dia, meus amigos, fiquei fazendo aquelas provas das 9h às 19h30, direto, já que tive 1 hora adicional para cada uma delas. Não sei como consegui sobreviver, foi muito difícil. E o resultado? Reprovado em contabilidade. Eu precisava de 4 acertos, e só tive 2. Confesso que me senti como um maratonista que perdeu a medalha nos últimos 2 metros, e fiz o que ninguém que quer passar no concurso público deve fazer: parei, cansado, e deixei pra lá. 

E o tempo foi passando, até que em 2014, eu decidi em passar no concurso e disse para mim mesmo: “não vou parar, vou alcançar meu objetivo, vou me tornar servidor público”. E a primeira pessoa de quem eu lembrei quando pensei nisso foi o professor Sérgio Carvalho. Eu lembrei que quando estudei para a Receita, eu tive um professor maravilhoso de raciocínio lógico e que ele estava com o site preparatório para concurso. Então descobri o e-mail de contato dele e lhe escrevi, contando a ele todo o meu caso. Para minha surpresa, ele me respondeu o e-mail pedindo meu telefone, e olhem só! Meu telefone tocou. Quando atendi, nem pude acreditar que estava falando com aquele professor das videoaulas, rsrs! Contei para ele que sou deficiente visual e desde então ele não poupou esforços para me auxiliar nessa caminhada.

O primeiro desafio foi o concurso do ATA. Fui muito bem, mas zerei na prova de informática. Descaso meu, já que eu tenho algum conhecimento de informática e achei que não precisaria estudar tanto assim... Mas continuei, pois eu queria passar e fui uns dos primeiros alunos a se matricular no curso fechado para Técnico do INSS no site do Olá Amigos. 

No meio disso tudo, em fevereiro de 2015, fui demitido! E agora? Não me desesperei, confiei no Senhor Jesus e fiz disso uma oportunidade para estudar ainda mais. E foi assim que fiz: acordava bem cedo junto com minha esposa. Ela saía para trabalhar e eu ficava lavando a louça, varrendo a casa, colocando e tirando roupas na máquina, arrumando a cama, e ouvindo as minhas músicas, as videoaulas do Olá Amigos, e entre um garfo e um copo, eu aprendia segredos da porcentagem; na sala ou no quarto, eu cantava as músicas do direito previdenciário, administrativo... 

Não foi nada fácil. O tempo passava e nenhum concurso abria, muito menos o do INSS, até que saiu o da fazenda de Niterói. Eu não pensei duas vezes, e me inscrevi, isso já em novembro 2015. Logo depois, abriram concursos para a ANP e ANS. Para esses, pensei muito e no último dia de inscrição para ANP, optei por ela. Era dia 08/12/2015, a mesma data em que completei 4 anos de casamento. O dia do vencimento do boleto era 10 de dezembro, e como todo bom brasileiro, deixei pra pagar na lotérica depois do horário bancário no último dia, rsrsrsrs. Quando entreguei o boleto no caixa, a funcionária me disse que esse boleto só poderia ser pago diretamente no Banco do Brasil. Eita!, eu não tenho conta lá, e agora? 

Resumindo, uma amiga nossa estava em frente a uma agência do BB esperando seu ônibus, e segundo nos contou depois, ela não estava com vontade de ir embora. Telefonamos e ela concordou na hora em pagar o boleto na sua conta no caixa eletrônico. Ufa, consegui pagar! No domingo, 13 de dezembro, fiz a prova de Niterói. A banca era a FGV, e este foi o resultado: 1º lugar entre os deficientes no cargo de agente fazendário e 4º lugar no geral.

Poucos dias antes da prova, eu e minha esposa descobrimos que iríamos ganhar um filho. Quanta preocupação e felicidade ao mesmo tempo. Mais uma motivação para os meus estudos. Entretanto, em meados de janeiro de 2016, faltando apenas 10 dias para a prova da ANP, cujo sacrificante episódio da inscrição eu já contei, ficamos sabendo que nosso bebezinho não iria sobreviver. Entramos num momento terrível das nossas vidas. Eu e minha esposa sofremos demais, e ainda sofremos. Não desejo essa dor a ninguém. Minha esposa foi internada no sábado 30/01/2016 e a prova da ANP era no dia seguinte. E agora? Decidi ir fazer a prova mesmo assim, para não permitir que minha amada se sentisse culpada por eu não ido. Fui e fiz o meu melhor. Naquele dia, no centro do Rio, estava tendo carnaval. Quando saí da prova, fiquei aguardando aquela amiga que pagou o boleto para mim, lembram? Fomos direto visitar minha esposa no hospital. Lembro que naquele dia nem almocei.  

Em janeiro de 2016, estavam abertas as inscrições pro INSS! Me inscrevi também, para as vagas de Juazeiro da Bahia. No dia 01/04/2016, saiu minha nomeação para a fazenda de Niterói. No dia 05/04/2016, foi a perícia da ANP para candidatos que se declararam deficientes. Na ANP, só havia uma vaga para deficientes e o meu resultado antes da perícia era o 2º lugar. Caramba! Que concurso é esse? Cheio de surpresas! No dia 25/04, saiu o resultado final, eu não acreditei: 1º lugar entre os deficientes. Meu Deus, e agora? Faço ou não faço o INSS? Bom, eu fiz! E o resultado saiu agora, dia 04/08/2016: 1º lugar entre os deficientes em Juazeiro com 102 pontos.

Contei essa minha história, acreditem, resumidamente, para dizer a vocês para nunca desistirem. A perseverança é uma virtude que só os vencedores possuem. Vocês leram que durante o texto acima, várias vezes citei amigos. Como eles são importantes! Mas escolham amigos verdadeiros, que irão leva-los mais rapidamente à vitória.

Quero abrir aqui um parágrafo somente para agradecer ao professor Sérgio. Muito obrigado por tudo, tudo mesmo, o professor não sabe como foi e é importante na minha caminhada, com todas as suas aulas e com todos os seus conselhos. Deus me deu mais um grande amigo nessa caminhada que foi o melhor professor de raciocínio lógico do Brasil. Desejo e oro para que o Senhor Jesus sempre lhe abençoe muito e lhe faça prosperar abundantemente em toda sua vida, meu amigo Sérgio Carvalho.

Por fim, agradeço a Deus por me abençoar com tantas pessoas maravilhosas em minha vida, a minha esposa dentre elas a mais especial, esteve ao meu lado, me deu sua credibilidade, por algum tempo sustentou sozinha nosso lar financeiramente, mas confiou em mim, acreditou que eu venceria, e venci. Amo muito essa grande mulher, sou realmente feliz por tê-la comigo.

Venci a FGV no concurso de Niterói, venci a CESGRANRIO no concurso da ANP, e venci a CESPE no concurso do INSS. O próximo passo é vencer a ESAF, no concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil.

Acredite, confie, tenha força, foco e fé!

David

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

David, dirijo a você estas palavras, dizendo-lhe que para mim é uma honra que me chame de "meu amigo".  Desde que conversamos a primeira vez por telefone, anos atrás, a sua luta e a sua fé prontamente me contagiaram, e me fizeram crer - com toda a convicção - que você é um homem abençoado!

As palavras que me ocorrem neste momento são de uma jovem freirinha carmelita francesa, que viveu apenas 24 anos, mas que se tornou conhecida no mundo inteiro como Santa Teresinha do Menino Jesus. Ela escreveu assim:

"Nada te perturbe / Nada te espante / Tudo passa / Deus não muda / A paciência tudo alcança / Quem a Deus tem nada lhe falta / Só Deus basta!"

Não tenho dúvidas, David, de que você tem a Deus! 

E é por isto que eu sinceramente acredito que muitas outras vitórias você alcançará em breve! Seja no mundo dos concursos, seja em qualquer outra empreitada a que se proponha!

Conte sempre com a minha humilde ajuda!

Conte sempre com esta Casa, que também é sua!

Parabéns por tudo e muito obrigado!

E a vocês todos, meus amigos, fica o meu desejo de que a história do David lhes sirva de exemplo e de inspiração.

Estamos juntos!

Um forte abraço e fiquem com Deus!

Sérgio

olaamigos@gmail.com