E Agora, Professor?

E Agora, Professor?

Olá, Amigos!

Tudo bem com vocês?

Nos últimos dias, tenho sido bastante consultado por pessoas mais próximas, alunos e alunas, que estão diante de um momento de decisão importante.

Uns vão escolher o Estado brasileiro ao qual concorrerão a uma vaga no concurso do MPU. Outros estão analisando sobre a área a que irão concorrer para o cargo de Auditor-Fiscal de Santa Catarina.

"E agora, professor?"

Ora, a todos deixo claro, de antemão, que se trata de uma escolha personalíssima! O que eu posso fazer é trazer uma visão de quem está "de fora", com a intenção de talvez lançar alguma luz sobre a questão.

Quando se trata de escolher o local da vaga, minha experiência me ensinou que cada concurso tem uma história própria. Ou seja, não há como generalizar, e afirmar que o próximo certame terá o mesmo desfecho do último.  

Em geral, não convém que o número de vagas ofertadas em um local seja o único critério usado na tomada de decisão. 

Querem um exemplo? 

Quando fiz minha prova de Auditor-Fiscal da Receita, em 2002, ainda tínhamos um concurso regionalizado: o candidato escolhia uma única região fiscal do País, e concorria somente às vagas ali destinadas. Eu queria muito ficar lotado na terceira região fiscal, que abrangia o estado do Ceará, minha casa. Ocorre que o edital ofereceu míseras 5 vagas para cá, contra 25 para os estados do Norte do país (segunda região fiscal).

Eu precisava decidir. Então, pensei: "de quantas vagas eu preciso para ser aprovado?" Esta resposta vale não somente para mim! Como nenhum de nós ocupa duas vagas, então só precisamos de uma!

Assim, fiz minha escolha baseado no local onde eu gostaria realmente de viver e trabalhar. 

E deu certo! Fiquei em primeiro dos cinco aprovados. 

Que fique bem claro que aquela foi a "minha" decisão. E fui eu quem arcou com as suas consequências, que acabaram sendo bastante favoráveis. Mas poderiam não ter sido. 

Quanto à escolha da área para o cargo de Auditor-Fiscal de SC, caso eu estivesse nesta situação de decidir, adotaria como critério principal o meu conhecimento anterior das disciplinas da prova de peso 3. Se eu julgar que terei mais chances de elevar minha nota final caso venha a escolher a "área X", então será esta "área X" que escolherei. 

Vejam que estou falando do "meu" critério de decisão. Pode ser que muitos de vocês possam julgar mais relevante o número de vagas ofertadas. E está tudo certo! O que de fato importa é que a decisão de cada um seja guiada pela própria consciência! 

Lembrem-se do que disse antes: o que "deu certo" para um concurso não necessariamente terá que dar certo para outro.

Analisem com calma! Ponham a razão para funcionar! E se quiserem ir além, julgo bastante recomendável que ouçam também o que lhes diz o seu coração, a sua intuição, o seu discernimento! 

Outra dica: uma vez tomada a decisão final, coloquem uma rocha gigantesca sobre o assunto, e sigam para os estudos, olhando agora apenas para a frente! Aconteça o que acontecer, não se arrependam do que foi decidido. Naquele momento, era o que lhes parecia ser o melhor caminho!

A mim, sempre muito me confortou a ideia de que Deus está no comando! E eu Lhe dizia com frequência (e ainda digo): "estou fazendo a minha parte, Senhor! Faça a Sua, por gentileza!" 

Comigo, tem dado muito certo!

Vai dar certo para vocês também!

Estamos juntos!

Um forte abraço a todos!

E fiquem com Deus!

Sérgio

olaamigos@gmail.com