Felicidade Agora

Felicidade Agora

Olá, Amigos!

Que alegria escrever-lhes!

Trago aqui mais uma história real para vocês. 

Quando o vi pela primeira vez, cometi uma gafe que nunca esquecerei: estendi-lhe a mão para cumprimentá-lo. Só então notei que ele não tinha braços.

Ao ver-me desconcertado, tratou de amenizar meu constrangimento com um largo sorriso. E disse-me: Tudo bem, professor, todo mundo faz isso...

Tive o privilégio de tê-lo como meu aluno. Na verdade, porém, ele ensinou-me a mim bem mais que eu a ele. Na sala de aula, fez-me conhecer um pouco da sua arte: seus pés faziam as vezes das mãos que não tinha.

Com extrema flexibilidade, aqueles pés descalços moviam-se de cima a baixo do seu corpo, pondo os óculos no rosto, tirando-os, abrindo a mochila, pegando o caderno, folheando-o, escrevendo.

Jamais esquecerei a beleza de sua escrita, nem a impressionante velocidade com que conseguia anotar tudo. Ao fim de cada aula, seu caderno era um dos que traziam anotações mais completas e organizadas. Outros alunos lho pediam emprestado para copiar alguma coisa.

Aos poucos, fui conhecendo seus vários talentos.

Por ser excelente aluno, ele sabia bastante de praticamente todas as matérias. Era, indubitavelmente, um estudante muito acima da média.

O que mais fortemente guardei de sua lembrança foram duas características suas, que chegavam a se sobressair à ausência dos braços: o seu desejo constante de ajudar aos colegas de sala e, principalmente, a contínua e inabalável expressão de alegria de seu rosto.

Faltavam-lhe os braços, mas sobrava-lhe algo que não se compra em mercados ou lojas. Algo do qual cada vez menos se conhece hoje em dia: felicidade.

Já faz muito tempo que fui seu professor. Há anos não o vejo.

Também já faz anos que ele foi aprovado no concurso que almejava. Tornou-se mais um fiscal brasileiro. E hoje, absorto em meus pensamentos, lembrei-me dele, a quem faltavam os braços, mas jamais faltava um sorriso.

O nome disto é alegria de viver.

Se você não consegue encontrar alegria em sua vida agora, tampouco a encontrará depois que passar no concurso. Por incrível que pareça.

Um bom contracheque no início do mês o ajudará, decerto, em vários aspectos. Mas um coração feliz transcende tudo o que é tangível.

Procure este coração feliz. Ele bate dentro de você. Não caia na armadilha da tristeza. Seja feliz hoje!

Você merece isso!

Estamos juntos!

Um forte abraço a todos!

E fiquem com Deus!

Prof. Sérgio Carvalho

olaamigos@gmail.com

Clique aqui e conheça os nossos Projetos de coaching para concursos!