Pé Calçado, Pé Descalço!

Pé Calçado, Pé Descalço!

Olá, Amigos!

Tudo bem com vocês?

É sempre uma alegria escrever-lhes!

Há alguns dias, tive a oportunidade de assistir a um pequeno vídeo, em que o historiador Leandro Karnal fala acerca de algo muito interessante: ele comenta sobre uma imagem, na qual aparecem os dois pés de uma bailarina, sendo um deles calçado, e o outro descalço.

O pé calçado é visto da maneira tradicional, ou seja, aquela com que todos nos lembramos de como deve ser um pé de bailarina: delicado e belo, envolto na meia e na sapatilha! Quase angelical!

Porém, ao se retirarem a meia e o calçado, o que se passa a ver é a realidade: um pé absolutamente ferido, calejado, machucado, maltratado ao extremo por uma cobrança exaustiva de anos e anos de intermináveis treinos!

Temos aí uma fortíssima metáfora visual: os dois pés pertencem à mesma dona, mas se apresentam de formas completamente diversas.

Quem conhece o dia a dia desta pessoa, quem sabe do seu grande sonho de tornar-se uma excelente bailarina, certamente está a par das dores e sofrimentos que ela enfrenta. Sabe das contusões que ela sofreu através dos anos. Sabe das inúmeras quedas que ela levou. Sabe de quantas vezes ela chorou por ainda não ter sido escolhida como bailarina principal da apresentação...

De outra sorte,  a grande multidão, que apenas sai de casa para assistir ao espetáculo de dança, o que vê? Vê belas moças acompanhando a música em gestos graciosos, todas sorrindo e deslizando na ponta dos pés, como se fosse aquilo algo natural e facílimo de ser feito...

O resultado final quase sempre esconde o sacrifício vivido até ali. 

Assim ocorre também conosco, que estudamos para concurso! 

Quando se vê alguém ser aprovado, pouco se imagina do esforço empreendido na busca daquele resultado! Só quem viveu o desafio da aprovação pode dizer o estado em que se encontra o pé descalço! 

Infelizmente, meus amigos, enquanto todos nós almejamos ser aprovados no concurso dos nossos sonhos, poucos estamos realmente dispostos a pagar o preço exigido. 

Não há vitória sem esforço! 

O esporte está aí para nos mostrar grandes exemplos. 

Vocês viram o Diego Hypólito nestas Olimpíadas do Rio? Ganhou sua medalha olímpica após duas quedas nas edições passadas. E nas entrevistas que concedeu após a conquista, suas palavras mais frequentes foram "Façam o seu esforço! Acreditem! Não desistam!"

No tênis, um atleta conseguiu a medalha de prata após três anos praticamente afastado das quadras, tendo passado por quatro cirurgias nos punhos. As outras pessoas podem até tentar imaginar, mas somente ele sabe, de fato, o que enfrentou para voltar ao esporte e estar ali entre os melhores.

Quando o Marcelo Torto, um concurseiro que orientei no Personal, passou para auditor-fiscal no último concurso da Receita tendo estudado por 3 meses e 14 dias, muita gente teceu comentários como "ele deve ser um gênio", ou "ele deve ter muita facilidade com as matérias", e outros afins. O que pouca gente se lembra é que ele conseguiu a proeza de estudar mais de 1300 horas neste curtíssimo prazo. 

É claro que o Marcelo é um ponto fora da curva. Mas o que vale aqui é ressaltar que ele pagou um preço altíssimo. Só ele sabe exatamente em que estado (de penúria) ficou o seu pé descalço, para que o pé calçado surgisse vitorioso!

Faz sentido para vocês o que estou falando, meus amigos? 

Repito: não há vitória sem esforço!

Quando vocês forem aprovados, algo que virá em breve, irão comemorar e chorar de alegria, da mesma forma como eu o fiz anos atrás. E tanto mais irão comemorar e tanto mais irão se emocionar com a própria vitória, quanto maior tiver sido a sua luta! 

O desafio agora é cada um olhar para o próprio pé, o descalço. E ver o quanto de superação já foi vencido. E o quanto ainda nos falta!

A propósito disso tudo, uma boa ajuda profissional é sempre bem-vinda, acreditem. E é por isso que o meu serviço de orientação individualizado para concursos - o Personal - segue firme e com resultados cada vez mais expressivos. Contem comigo!

Estamos juntos!

Um forte abraço a todos!

E fiquem com Deus!

Sérgio

olaamigos@gmail.com