Texto Economist Traduzido - A crude Awakening!

Texto Economist Traduzido - A crude Awakening!

Hello, Darlings!

Are you fine? I hope so! Dears, para os que estão se preparando para o concurso da Receita Federal ou concursos similares, que tal lermos sobre como vai o mundo do petróleo de acordo com o Economist?

Eis mais um artigo traduzido com o carinho de sempre para vocês!

Enjoy it!

Kisses and Hugs!

Clésia Maia

Facebook: Professora de Inglês do Olá Amigos: @TeacherClesiaMaia


Rising oil prices catch emerging economies at a vulnerable moment

A crude awakening

Finance and economics

Sep 29th 2018

Preços crescentes do petróleo atingem economias emergentes em um momento vulnerável

Um despertar áspero

Finanças e economia

29 de setembro de 2018


OIL prices have a knack of jumping at the most inconvenient times. As in 2007, for instance, when the price of a barrel soared into triple digits, destabilising a world economy already heading for a financial crisis. Or, for that matter, now. At more than $80 per barrel, Brent crude is nearly twice as costly as in the summer of 2017 and three times as pricey as in early 2016. Dear oil does not yet mean a crisis. But it is putting emerging markets, already labouring, under further stress.

Os preços do petróleo têm um jeito de disparar nos momentos mais inconvenientes. Como em 2007, por exemplo, quando o preço do barril subiu para três dígitos, desestabilizando uma economia mundial que já caminha para uma crise financeira. Ou, nesse caso, agora. Com mais de US $ 80 por barril, o petróleo bruto Brent está quase duas vezes mais caro do que no verão de 2017 e três vezes mais caro do que no início de 2016. Petróleo caro ainda não significa uma crise. Mas está colocando os mercados emergentes, já trabalhando, sob mais estresse.


That oil should once again be causing trouble is a bit of a surprise. Half a decade ago prices in excess of $100 per barrel seemed to be a permanent feature of the economic landscape. But in 2014 prices crashed, as America’s shale boom turned the market on its head. The world quickly embraced the idea of a “new normal” for oil: in which large-scale, flexible shale production in America promised to keep prices stable and moderate. Americans scarcely had an opportunity to swap their Priuses for gas-guzzling SUVs before the market turned again.

Que esse petróleo deveria mais uma vez estar causando problemas é um pouco surpreendente. Há meia década, os preços acima de $ 100 por barril pareciam ser uma característica permanente do cenário econômico. Mas, em 2014, os preços caíram, à medida que a expansão de xisto da América virou o mercado. O mundo rapidamente abraçou a ideia de um “novo normal” para o petróleo: no qual a produção de xisto flexível em larga escala na América prometia manter os preços estáveis e moderados. Os americanos mal tiveram a oportunidade de trocar seus Prius por utilitários esportivos que consomem muita gasolina antes que o mercado voltasse.


Not all oil shocks are the same. When robust global growth boosts the demand for oil and pushes up prices, the effect on the world economy is largely benign. In such cases, the rising cost of oil to countries that must import it is offset, to some degree, by increased demand for their exports. In contrast, a jump in prices resulting from an interruption to supply is more unsettling. Rising prices in the mid-2000s were clearly a result of soaring demand. 

Nem todos os impactos referentes ao petróleo são iguais. Quando o crescimento global robusto aumenta a demanda por petróleo e aumenta os preços, o efeito sobre a economia mundial é amplamente benigno. Nesses casos, o aumento do custo do petróleo para os países que devem importá-lo é compensado, até certo ponto, pelo aumento da demanda por suas exportações. Em contraste, um salto nos preços resultante de uma interrupção na oferta é mais inquietante. O aumento dos preços em meados dos anos 2000 foi claramente resultado de uma demanda crescente.


Most economies weathered rising costs tolerably well until prices climbed vertiginously in 2007. But the cause of today’s run-up is murkier. Demand growth is a factor. Oil consumption in advanced economies recovered as post-crisis doldrums receded and as lower prices reduced the incentive to conserve. But global growth is poised to slow in 2019, according to new forecasts by the OECD. Growth in China, which added most to oil demand in the 2000s, is ebbing and becoming less energy-intensive.

A maioria das economias resistiu razoavelmente bem aos custos crescentes até que os preços subiram vertiginosamente em 2007. Mas a causa da corrida de hoje é mais obscura. O crescimento da demanda é um fator. O consumo de petróleo nas economias avançadas recuperou-se à medida que a estagnação do pós-crise recuou e os preços mais baixos reduziram o incentivo à poupança. Mas o crescimento global deve desacelerar em 2019, de acordo com novas previsões da OCDE. O crescimento na China, que mais contribuiu para a demanda por petróleo nos anos 2000, está diminuindo e se tornando menos intensivo em energia.


Meanwhile, supply constraints loom larger.

Economic and political crises have sapped Venezuela’s productive capacity. Prices are rising in anticipation of tighter American sanctions on Iran, scheduled to take effect in November. At a recent meeting members of OPEC, joined by other leading oil exporters such as Russia, chose not to respond to higher prices by increasing supply. And importantly, inventories have been falling. Markets will have very little cushion against further price increases should any new supply disruption occur.

Enquanto isso, as restrições de oferta dão o que pensar.  

Crises econômicas e políticas reduziram a capacidade produtiva da Venezuela. Os preços estão subindo em antecipação às sanções americanas mais rígidas contra o Irã, marcadas para entrar em vigor em novembro. Em uma reunião recente, membros da OPEP, juntamente com outros exportadores de petróleo, como a Rússia, optaram por não responder aos preços mais altos, aumentando a oferta. E, mais importante, os estoques estão caindo. Os mercados terão muita pouca proteção contra novos aumentos de preço caso ocorra qualquer nova interrupção no suprimento.


Fonte: https://www.economist.com/finance-and-economics/2018/09/29/rising-oil-prices-catch-emerging-economies-at-a-vulnerable-moment