STJ anuncia novo concurso

STJ anuncia novo concurso

Na última sexta-feira, dia 9, foi divulgado um documento que autoriza a realização do novo concurso público para o quadro de pessoal do Superior Tribunal de Justiça (STJ), com sede em Brasília (DF). A publicação mostra a comissão que ficará responsável por organizar o certame.

>> Coaching para concursos? Clique aqui e conheça os Projetos de Coaching do Prof. Sérgio Carvalho! Acompanhamento individual e totalmente personalizado! Prepare-se com quem entende do assunto!

Consta no registro que a comissão que presidirá o edital é composta pelos servidores Inaê Cerqueira Alvarenga; Waldelice Aparecida de Oliveira Poncioni; Neyde Rocha Navatta; Greice Kerr Mandruzato; Roberto Bezerra; Gerardo da Silva Gomes; e Daniela Cabral Dias de Carvalho.

Não foram divulgados detalhes do concurso do STJ, mas a expectativa é que tenha oportunidades para as carreiras de técnico e analista judiciários em diversas especialidades.

O cargo de técnico se destina aos profissionais que concluíram o ensino médio e/ou curso técnico, enquanto a função de analista aceita diploma de nível superior em várias áreas de atuação. Os salários iniciais correspondem a R$ 6.167,99 e a R$ 10.119,93, respectivamente.

Com a criação da comissão, o próximo passo será estabelecer o número de vagas, os cargos e suas especialidades, além da banca organizadora. É grande a possibilidade do concurso do STJ ser lançado ainda este ano.

>> Clique aqui e conheça o nosso Pacote Básico Para Concursos: Português, Informática, Raciocínio Lógico, Matemática e vários outros cursos! Incluindo palestras motivacionais e técnicas de estudo!

Último concurso do STJ

Em 2015, o órgão lançou edital com 65 vagas para os cargos de técnico e analista judiciários. Todos os postos foram preenchidos no Distrito Federal e a empresa organizadora foi o Cespe/UnB.

Para técnico havia 24 chances nas áreas administrativa (15), apoio especializado - saúde bucal (3) e apoio especializado - tecnologia da informação (6). A primeira carreira necessitou de nível médio completo, ao passo que as duas últimas exigiram formação de ensino técnico. 

Candidatos graduados optaram pela colocação de analista nas seguintes especialidades: administrativa (12); administrativa – segurança (3); e apoio especializado – análise de sistemas de informação (3), arquitetura (1), arquivologia (1), comunicação social (2), contadoria (5), engenharia civil (1), engenharia elétrica (1), fisioterapia (2), medicina – pediatria (2), pedagogia (2), serviço social (1) e suporte em tecnologia da informação (5).

O processo seletivo constou de provas objetivas; testes discursivos para analista judiciário; e aptidão física para analista - área administrativa - especialidade segurança.