Como Isso Pode Melhorar?

Como Isso Pode Melhorar?

Olá, Amigos!

Espero que estejam bem, e com saúde!

A minha biblioteca pessoal é muito variada. Tenho centenas de livros, separados por tema. Ao menos, tanto quanto possível. Às vezes, acabo encontrando um de Filosofia perdido no meio dos de Estatística... e foi justamente o que aconteceu ontem à noite.

Daí, tomei aquele livro e o folheei com calma, relembrando os velhos tempos (estamos falando de outro milênio)  em que eu costumava passar horas me deleitando com leituras filosóficas!

E o que é mais curioso nisso tudo é que os escritos são os mesmos, mas nós, seres humanos, mudamos - com o tempo - nossa maneira de os compreender e interpretar.

Platão, numa de suas obras - A República - escreveu sobre o "Mito da Caverna". Vocês se lembram dessa história? Farei uma descrição livre e breve, para reavivar-lhes a memória: 

Havia numa caverna homens escravos, aprisionados desde seu nascimento por correntes, nos pés, nas mãos e no pescoço, de modo a terem que permanecer sempre voltados para uma determinada parede interna, sem que pudessem dirigir seus olhares para o exterior da gruta. 

Já ali, fora da caverna, havia homens livres que caminhavam, às vezes sozinhos, às vezes carregando consigo algum objeto ou animal. 

O fato é que, quando passavam defronte à entrada da caverna, suas sombras eram projetadas para o lado de dentro, exatamente naquela parede para a qual os homens acorrentados estavam voltados. 

(Tinha uma fogueira no meio disso tudo..., mas tudo bem, deixemos a fogueira pra lá!)

Assim, tudo o que os prisioneiros conseguiam enxergar eram sombras, apenas sombras, as quais acabavam por compor a realidade daqueles homens! Ou seja, para eles, aquelas formas passando na parede eram reais. Significavam tudo o que eles conheciam. 

Até que um dia um daqueles presos fugiu da caverna. Do lado de fora, assustou-se com o que agora estava vendo: a  luz, as pessoas livres, animais, plantas etc. E ficou deslumbrado. A realidade era muito diferente do que ele imaginava ser, quando estava acorrentado na escuridão. 

Daí, resolveu retornar à caverna para contar o que vira a seus amigos prisioneiros. Mas estes o rechaçaram, taxando-o de louco. Eles simplesmente não conseguiam aceitar outra realidade diferente daquela que seus olhos, por meio das sombras, lhes apresentavam. 

No dia de hoje, percebo estas sombras como falsas crenças que acabamos desenvolvendo acerca de nós próprios. E passamos a enxergar o mundo à nossa volta por meio de ângulos retorcidos. Passamos a crer numa realidade muito distante do que poderia ser de fato!

Desde que iniciei - alguns anos atrás - um caminho novo de busca por autoconhecimento, descobri o quanto somos responsáveis pela realidade que nos cerca. Infelizmente, é quase sempre mais prático jogar a culpa de tudo nas circunstâncias. 

"Se minha vida fosse assim..., se minha vida fosse assada..., eu certamente já teria passado no concurso!"

Esse pensamento, típico de quem ainda está acorrentado, é nada mais que sombras!

Um pouco mais de luz sobre nós, e seremos capazes de ver que é possível construir algo novo! 

Não estou dizendo que temos controle absoluto sobre todas as variáveis que cercam a nossa vida. Seria ingênuo pensar assim. Por outro lado, não somos folhas levadas ao vento. Absolutamente!

A partir do instante em que conseguirmos reconhecer que temos, às mãos, capacidade para sair das sombras e dar passos para o lado de fora da caverna, certamente nossa vida mudará radicalmente!

O simples "saber" o que tem que ser feito não basta! 

Por que vocês acham que há tantos médicos que fumam? Será que eles não "sabem" que o cigarro é um veneno e que vai matá-los? 

Por que há tantos concurseiros que "sabem" que é preciso dedicar-se assiduamente aos estudos, e simplesmente não o fazem? 

Por que vivemos, tantos de nós, processos tão fortes de autossabotagem

Eu hoje não vim para lhes trazer respostas, senão perguntas! E vou fazer mais duas:

Quantas pessoas no mundo são necessárias para fazer um médico parar de fumar? 

Quantas pessoas no mundo são necessárias para fazer um concurseiro começar a dar o melhor de si?

Quem quiser me enviar uma resposta, via e-mail, sinta-se à vontade! (olaamigos@gmail.com)

Quem preferir silenciar um pouco, e refletir sobre isto que conversamos aqui, creio que pode ser bem interessante! 

Será que estou fazendo (do meu presente) de fato o melhor que posso pelo meu futuro? 

Como isso pode melhorar? 

Como isso pode melhorar?

Como isso pode melhorar?

Estamos juntos!

Um forte abraço a todos!

E fiquem com Deus!

Sérgio

olaamigos@gmail.com