Um Novo Tempo!

Um Novo Tempo!

Olá, Amigos!

Tudo bem?

Um dia desses, li o resultado de uma pesquisa que dizia que, atualmente, apenas 45% das pessoas fazem propósitos de ano novo! 

E os outros 55%, o que será que houve com eles? Vocês conseguem imaginar?

Provavelmente, ficaram cansados de renovar os mesmos planos de sempre, e de nunca conseguir colocá-los em prática...

Para completar, daqueles 45% que insistem em renovar as suas boas intenções, apenas 8% as realizam de fato!

Fazendo esta conta, são menos de 4 pessoas - em cem - que têm êxito em tornar concreto aquilo que sonharam realizar.

Muito pouca gente, não é mesmo?

Eu tenho uma teoria a este respeito, que consiste numa sutil diferença entre os verbos "querer" e "desejar".

Quando desejamos algo, podemos até fazer algum esforço para que aquilo aconteça. Mas sem criar tantas expectativas. 

"Afinal de contas, pode vir a dar tudo errado no final... e eu prefiro não me animar muito, para não me decepcionar depois..."

Há nesta atitude um sentimento de medo, que pode até ser latente e disfarçado, mas que, no fundo, faz com que não nos empenhemos o quanto realmente poderíamos.

Ora, assim é porque você apenas desejou!

Porém, quando queremos que algo se realize, então concentramos neste propósito todas as nossas energias, e não medimos e nem economizamos nossos esforços!

Nesta condição, simplesmente não sobra espaço para ponderações sobre futuras quedas ou fracassos, ou sobre eventuais sofrimentos e decepções, caso não saia tudo como gostaríamos. 

O que há é a certeza da luta! Ou seja, a absoluta convicção de que faremos o nosso melhor, independentemente do que virá a acontecer!

O problema, meus amigos e minhas amigas, é que poucos de nós - talvez umas 4 pessoas em 100 - temos a verdadeira coragem de querer, e acabamos ficando apenas com o desejar!

É muitíssimo provável que os propósitos de ano novo tenham quase sempre esta última conotação, a do desejo.

"E como você sabe disso, professor?"

Muito simples: se quiséssemos que algo de bom de fato mudasse em nossa vida, não deixaríamos para começar a jornada de transformação apenas no ano que vem!

Quando queremos algo, agimos hoje! Mesmo que a ação de hoje consista num simples e pequeno passo. Mas ele será dado! 

Pode ser que o passo de hoje seja um momento solitário de reflexão sobre a sua vida! Pode ser que seja uma conversa séria com alguém!

É válido! 

Seja como for, transformar o desejar em querer não é missão das mais fáceis. Com o perdão do trocadilho, é preciso querer muito! 

É este querer que vai mudar a nossa vida para melhor, e que vai fazer do ano novo - de fato - um novo tempo para nós!

Estamos juntos!

Um forte abraço a todos!

E fiquem com Deus!

Prof. Sérgio Carvalho

olaamigos@gmail.com