Concurso IPHAN: autorizadas 411 vagas

Concurso IPHAN: autorizadas 411 vagas

Foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), na edição de 3 de maio, uma portaria com a autorização para a abertura do concurso do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Ao todo, o órgão poderá abrir uma nova seleção com 411 vagas distribuídas entre três cargos.

>> PACOTE BÁSICO P/ CONCURSOS! Clique aqui e conheça! Português, Informática, Raciocínio Lógico, Matemática, Estatística e vários outros cursos! BÔNUS: palestras do Prof. Sérgio Carvalho (motivação e técnicas de estudo) e Coaching Em Videoaulas!

Do total de oportunidades, 131 serão para a carreira de auxiliar institucional, 176 para técnico e 104 para analista. A primeira posição requer ensino médio completo, enquanto as demais necessitam de formação superior.

Segundo a vigente tabela de remuneração dos servidores federais, os salários são de R$ 3.877,97 para auxiliar e de R$ 5.493,29 para as outras duas funções. Os valores já incluem o auxílio-alimentação de R$ 458.

O prazo para o lançamento do edital do concurso do Iphan é de até seis meses. Ou seja, o certame deverá ser publicado até 3 de novembro de 2018.

No decorrer das próximas semanas, o órgão já deve iniciar o processo de escolha da banca organizadora. A expectativa é de que as oportunidades sejam preenchidas em diversos Estados, incluindo São Paulo, como nos últimos certames.

Estude Raciocínio Lógico com o Prof. Sérgio Carvalho! Clique aqui e conheça nossos Pacotes!

Último concurso

A seleção anterior do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico ocorreu em 2009. Na época, foram abertas 187 vagas e a banca organizadora contratada foi a Universa.

Para nível superior, o concurso do Iphan teve 117 ofertas, sendo 57 para analista e 60 para técnico. O ensino médio foi requisito para 70 oportunidades de auxiliar institucional.

Todos os concorrentes passaram por avaliações objetivas com questões sobre língua portuguesa, inglês, raciocínio lógico, fundamentos das atividades relacionadas a gestão do patrimônio cultural, fundamentos da administração pública (gestão pública e fundamentos de direito constitucional e administrativo), noções de informática e/ou conhecimentos específicos. Depois, os participantes de nível superior foram submetidos a provas objetivas e análise de títulos.

Os postos foram distribuídos entre as cidades de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Mariana (MG), Vitória (ES), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), São Miguel das Missões (RS), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT) Goiânia (GO), Aracaju (SE), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Recife (PE), Natal (RN), Salvador (BA), São Luiz (MA), Teresina (PI), Parnaíba (PI), Belém (PA), Boa Vista (RR), Macapá (AP), Manaus (AM), Palmas (TO), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC), além de Brasília (DF).